«

»

Imprimir Post

Após recuo do governo, moradores do assentamento Canaã ocupam SECOPA

Após recuo do governo, moradores do assentamento Canaã ocupam SECOPA

Na manhã do dia 06, moradores do assentamento Canaã ocuparam a SECOPA exigindo a retomada das negociações que abrangem as famílias.

Há duas semanas os moradores ocuparam a Casa Civil e exigiram que o governo estadual se posicionasse sobre o caso. Em meio a ocupação, o governo propôs que os moradores formassem um comissão para negociação.

A comissão iniciou os trabalhos após a pressão política dos moradores e movimentos sociais. A proposta do governo baseou-se na retirada das famílias do local para casas financiadas, sendo 10% da renda formalizada de cada. A comissão levou a proposta para os moradores que decidiram acatar a proposta somente se alguns critérios fossem implementados:

Casas para todos os moradores do assentamento e com isenção do pagamento;
Enquanto os moradores não receberem as casas, mantém-se suspensa o cumprimento da liminar da reintegração de posse;
Caso haja necessidade de fazer um estudo socioeconômico dos moradores, a equipe delegada a fazer essa tarefa também deverá ser composta por moradores e movimentos sociais do assentamento Canaã.
A comissão levou a contraproposta ao governo. José Lacerda, secretário-chefe da Casa Civil, após ler a proposta dos moradores, suspendeu a reunião e prometeu uma nova reunião para discutir os critérios.

No dia seguinte os moradores não receberam nenhum telefonema sobre a negociação. O clima de tensão se expandiu. Nos dias seguintes algumas viaturas pararam no local e começaram a tirar fotos do assentamento. Os moradores impediram a entrada desses policiais no terreno. Passaram-se três dias e os moradores ligaram para a Casa Civil. A resposta que obtiveram foi de que o secretário estava em reunião e entraria em contato.

O governo recuou e não convocou nenhuma reunião no período de uma semana.

O clima de tensão aumentou no assentamento. Diante desse recuo, que paralisou as negociações, os moradores decidiram ocupar a SECOPA, exigindo a retomada imediata das negociações, além de denunciar o alto investimento em eventos esportivos e o descaso com a moradia, sendo essa um direito constitucional.

No ato os moradores levaram faixas e lembraram o massacre do Pinheirinho “Quem luta não está sozinho. Somos todos Pinheirinho!”. O saguão da SECOPA foi tomado pelos moradores e a imprensa esteve presente cobrindo a ocupação.

No primeiro momento, os moradores foram recebidos por Éder Moraes, secretário da COPA, que prometeu convocar o secretário da Casa Civil.

Os moradores permaneceram no local e exigiram a presença dos representantes do governo. Algum tempo depois, Moraes (Casa Militar), Curado (Sec. de Segurança) e Afonso (INTERMAT) chegaram ao local. OS representantes disseram publicamente que não haverá despejo e prometeram retomar as negociações conforme reivindicação.

Os moradores se retiraram da SECOPA, entretanto, continuam no processo organizativo.

A ocupação da SECOPA foi um momento histórico para a classe trabalhadora de Mato Grosso. Nunca havia sido feita uma ocupação nesse espaço, que é emblemático para o Estado. O assentamento tomou outras proporções, tornando-se notícia nacionalmente.

CANAÃ NA IMPRENSA: 

Gazeta Digital
24HorasNews
Sem Tetos de Cuiaba Invadem SECOPA
Olhar Direto
Circuito MT
ODocumento.com
JCorreio
Hipernoticias

 

Compartilhe!

Link permanente para este artigo: http://www.intersindical.org.br/2012/10/03/apos-recuo-do-governo-moradores-do-assentamento-canaa-ocupam-secopa/