«

»

Imprimir Post

É ISSO QUE PRODUZ O CAPITALISMO: ENQUANTO PARA SUAS MERCADORIAS NÃO HÁ FRONTEIRAS, PARA OS SERES HUMANOS QUE BUSCAM MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA E TRABALHO, AS FRONTEIRAS E AS ARMAS DO ESTADO QUE MATAM

No estado do Texas, nos EUA, 50 pessoas foram encontradas mortas dentro de um caminhão, o que provocou suas mortes é muita mais do que a onda de calor que atinge a cidade de San Antonio que faz fronteira com o México. O que as matou foi a política migratória dos EUA, centro do sistema capitalista, que usa das fronteiras das nações para atender aos seus interesses.

Enquanto para as mercadorias do Capital produzidas pelos trabalhadores em todo e qualquer lugar do planeta as fronteiras das nações estão abertas, para as mulheres e homens trabalhadores e seus filhos que fogem da fome, das guerras, no narcotráfico as cercas se impõem.

O ex-presidente dos EUA Donald Trump ampliou a repressão contra imigrantes e no atual governo de Joe Biden a repressão continua, com milhares de prisões e deportações que atingem crianças e seus pais, a maioria vinda da América Central, vítimas dessa politica da morte em que as fronteiras somente são abertas para os imigrantes quando o Capital demanda mais força de trabalho a ser explorada em piores condições do que as já tão precárias condições de trabalho impostas ao conjunto dos trabalhadores.

Só se indignar com a imagem de um caminhão carregados de corpos mortos não basta, só lamentar por ver crianças presas em jaulas separadas de seus pais também não. É preciso enxergar que isso são as consequências produzidas por um sistema que a cada 1 bilionário que produz joga mais de um milhão na miséria, é preciso enxergar e se colocar em luta contra a barbárie produzida pelo Capitalismo, lutar para pôr fim a esse sistema da morte.  

Compartilhe!

Link permanente para este artigo: http://www.intersindical.org.br/2022/06/28/e-isso-que-produz-o-capitalismo-enquanto-para-suas-mercadorias-nao-ha-fronteiras-para-os-seres-humanos-que-buscam-melhores-condicoes-de-vida-e-trabalho-as-fronteiras-e-as-armas-do-estado-que-matam/